Domingo, 17 de Junho de 2007

Pio XII - culpado ou inocente?

Durante a presentação de um novo livro "Pío XII. Eugenio Pacelli, um homem no trono de Pedro", de autoria do vaticanista italiano, Andrea Tornielli, o cardeal Tarcisio Bertone, secretário-Geral da Santa Sé, afirmou que a acusação de que o Pio XII fechou os olhos ao Holocausto não passa de uma «lenda negra» e que o Pontífice trabalhou na sombra para salvar muitos judeus.
Para ilustrar esta afirmação contou que o Vaticano tentou alistar judeus nas suas forças de segurança. Em Outubro de 1943, o Vaticano pediu autorização aos alemães para constituir uma força policial – a Guarda Palatina – constituída por 1425 homens e com o objectivo de vigiar o Vaticano e os edifícios da Igreja, em Roma. As forças alemãs e os fascistas pediram o nome, a data de nascimento e a origem racial destes homens e a nossa gente disse que não, concluiu o Cardeal.
Bertone não deu outros detalhes, mas naquele mês os nazis prenderam os judeus do gueto de Roma, a maioria dos quais pareceu no campo de extermínio de Auschwitz, enquanto algumas famílias católicas arriscaram a vida para esconder algumas centenas.
Marcello Pezzetti, perito em história hebraica, mostrou-se perplexo perante as afirmações de Bertoni. «Se o Vaticano tem estes documentos deve mostrá-los», referindo-se aos documentos citados pelo cardeal que continuam secretos.
O secretário de Estado vaticano assegurou que Pio XII (cujo pontificado durou de 1939 a 1958) foi um papa "prudente", e que as razões dessa prudência foram apresentadas por ele mesmo, em 1943, quando disse que seu comportamento era "no interesse dos que sofrem, para não agravar sua situação".
O Cardeal Bertone argumentou que uma campanha da Igreja contra Hitler, então, teria carretado não apenas uma espécie de "suicídio premeditado", mas teria também "acelerado a eliminação de um maior número de judeus e de sacerdotes".
No seu livro, Tornielli conta que Hitler considerava Pio XII como "um inimigo".
Tendo pontificado nos duros anos do nazismo, Pio XII é acusado, por numerosos historiadores, de ser antisemita e de não ter elevado sua voz com mais força, contra o regime hitleriano, acusação que sempre foi rechaçada pela Santa Sé. Da mesma forma, os judeus sempre lhe atribuíram um "silêncio culposo" diante do Holocausto.
publicado por MJ às 14:30
link do post | comentar

Coordenação

MJ
Lisboa, Portugal

Perfil Completo

Contacto

europae65@gmail.com

Links

Tags

todas as tags

Posts Recentes

A Vida dos Livros por Gui...

Os Justos das Nações

Para Saul Friedländer, o ...

Enciclopédia do Holocaust...

Diabólica alquimia totali...

I conferência sobre o Hol...

Friedländer homenageado n...

A Vanguarda do Horror

«Shoah» de Claude Lanzman...

Uma obra dedicada à juven...

A banalização do Mal ou q...

Aristides de Sousa Mendes...

Ensinar o Holocausto aos ...

Somos todos Judeus

Os «Protocolos dos Sábios...

Charlotte Salomon

Um oficial do Exército al...

Holocausto: uma obsessão ...

"Memória do Holocausto". ...

Yad Vashem distinguido na...

Arquivo do Blog

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

blogs SAPO

Subscrever feeds