Segunda-feira, 11 de Junho de 2007

O Museu Anne Frank em Amsterdam

Paulo Franke vive na Finlândia e registou no seu blog a viagem efectuada em 1973 à Casa-Museu de Anne Frank. Recuperamos aqui aquele momento único e tocante na sua vida.
Era o mês de julho de 1973, mês em que fiz minha primeira viagem à Europa.

Naquela manhã de verão em Amsterdam, deixando o hotel do Exército de Salvacão (Leger des Heils no idioma holandês), caminhei pelas ruas ainda desertas e me dirigi ao local que há muito queria conhecer: o Museu Anne Frank.

No meu diário, a lembranca do diário dela
O sino da igreja de Westerkerk anunciava que eu chegara cedo demais. Decidi, então, sentado à beira do canal diante da casa tipicamente holandesa, preencher o tempo escrevendo o meu diário de viagem, aproveitando o ambiente calmo e convidativo ao redor. E nele registei a grande expectativa e emocão que me inundavam diante da oportunidade de conhecer o histórico lugar. À mente vinham as recordacões de tudo o que lera a respeito do holocausto de seis milhôes de judeus, perpetrado pelos nazistas durante a II Guerra Mundial, desde o "O Diário de Anne Frank" aos livros de Leon Uris que, somados às histórias contadas por meu pai - de quem herdei profunda simpatia pelo povo judeu - contribuíram para o meu conhecimento do assunto.Se a emocão do momento era forte para mim, um mero turista, o quanto não teria sido para Otto Frank, voltando ao local após a guerra como o único sobrevivente do grupo que ali se escondera por dois anos! Foi nessa visita dolorosa que lhe entregaram o diário de sua filha Anne, encontrado na confusão em que ficara o lugar após terem sido descobertos.

Uma página tenebrosa na História
Em maio de 1940, as tropas alemãs invadiram a Holanda inesperadamente. Em cinco dias o país teve de capitular. Cinco anos de terror dominaram a nacão, sendo cruel a perseguicão aos judeus holandeses. Otto Frank, que viera da Alemanhã em 1933, fugindo da perseguicão nazista, decidiu refugiar-se com sua família nos compartimentos do andar superior de seu próprio escritório, que utilizava para armazenar suas mercadorias. À sua família veio unir-se a família Van Daan (o casal e o filho Peter) e o dentista Sr. Dussel. Transcorridos dois anos, agentes da Gestapo, alertados por uma denúncia anônima, descobriram o esconderijo em agosto de 1944. No dia em que as tropas aliadas libertaram Bruxelas (setembro de 1944), partiu o último transporte com destino ao campo de concentracão de Auschwitz. Os oito refugiados estavam naquele trem. Anne, no entanto, morreu em outro campo de concentracão.

No Anexo Secreto, uma oracão profunda
Ao percorrer aquelas salas, conservadas em seu estado original pela Fundacão Anne Franke, o silêncio fala alto e a emocão é nítida no semblante das pessoas presentes que conhecem ou que passaram a conhecer, através da visita ao museu, a história trágica e ao mesmo tempo tão cheia de ternura. Depois de permanecer ali por mais de uma hora, deixei o local agradecendo a Deus pela liberdade e fazendo dos alvos da Fundacão a minha prece silenciosa: "Despertar os homens, assim como faz 'O Diário de Anne Frank', de sua responsabilidade para com o próximo, eliminando para sempre os preconceitos que levam a todas as formas de discriminacão, e que nunca mais se reproduza no mundo o cenário cruel do Holocausto.

"Nota:
Duas fotos foram tiradas em 1973, quando era ainda era possível ingressar com facilidade e mesmo fotografar o local. Uma delas mostra a entrada do anexo, encoberta por uma estante. A outra o quarto de Anne, com suas fotos de artistas da época na parede. Na foto de 2001, desisti de entrar no museu pelo pouco tempo que dispunha em vista da fila imensa que contornava o quarteirão, provando ao mesmo tempo a popularidade crescente da história de Anne Frank, "...cuja pena foi mais poderosa do que a espada de Hitler".

Emocionante visita à antiquíssima Sinagoga Portuguesa de Amsterdam, cuja Arca da Alianca foi reconstruída, em 1956, com jacarandá do Brasil! Terá Otto Frank levado sua família para conhecer essa histórica sinagoga? Leia mais a respeito procurando no Google: Amsterdam Portuguese Synagoge.
publicado por MJ às 21:45
link do post | comentar

Coordenação

MJ
Lisboa, Portugal

Perfil Completo

Contacto

europae65@gmail.com

Links

Tags

todas as tags

Posts Recentes

A Vida dos Livros por Gui...

Os Justos das Nações

Para Saul Friedländer, o ...

Enciclopédia do Holocaust...

Diabólica alquimia totali...

I conferência sobre o Hol...

Friedländer homenageado n...

A Vanguarda do Horror

«Shoah» de Claude Lanzman...

Uma obra dedicada à juven...

A banalização do Mal ou q...

Aristides de Sousa Mendes...

Ensinar o Holocausto aos ...

Somos todos Judeus

Os «Protocolos dos Sábios...

Charlotte Salomon

Um oficial do Exército al...

Holocausto: uma obsessão ...

"Memória do Holocausto". ...

Yad Vashem distinguido na...

Arquivo do Blog

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

blogs SAPO

Subscrever feeds