Terça-feira, 8 de Maio de 2007

Resistência alemã - Stauffenberg

O único acto de resistência interna que quase foi eficaz na tentativa de assassinar Adolf Hitler.

Em 1940, teve início nos arredores de Rastenburg, na Prússia Oriental, a construção do "Reduto do lobo", que serviria a Hitler de quartel-general durante a campanha da Rússia, até 22/12/1944. Como este abrigo dispunha de fortes medidas de segurança, apenas um reduzido numero de pessoas tinha, pela natureza do seu cargo, acesso directo ao Fuhrer. Entre elas contava-se Claus von Stauffenberg, coronel do Estado-maior das forças de reserva. Stauffenberg aterrou em 20 de Julho de 1944, as 10.15 h., no aeródromo de Rastenburg e percorreu numa viatura de serviço os 6 km. que o separavam do "Reduto do lobo"; passou a casa da guarda no portão sul e saiu do carro junto do messe II, onde tomou o pequeno almoço. Às 11 h. dirigiu-se a uma reunião no barraca do Estado-Maior do comando do Wehrmacht, e posteriormente, cerca das 11.30 h. ao Alto Comando. Aqui, com a ajuda de Werner von Haeften, Stauffenberg meteu o explosivo no pasta, quebrou a ampola de ácido do detonador e seguiu imediatamente para a barraca de operações. Após a chegada de Hitler, cerca das 12.30 h., Stauffenberg, que se encontrava próximo, colocou a pasta debaixo do mesa e invocou um pretexto para abandonar o local. Dirigiu-se a pé às instalações dos ajudantes, onde se apercebeu da explosão, e tomou, juntamente com von Haeften, uma viatura que o aguardava. Ao abandonar o "Reduto do lobo" pode lançar um olhar à barraca de operações destruída, depois atingiu o aeródromo instalado provisoriamente junto a Wilhelmsdorf e partiu às 13.15 h. para Berlim, onde chegou por volta das 16 h.

Após ter colocado a bomba no "Reduto do lobo", Stauffenberg regressou ao Ministério da Guerra e assumiu aí o comando do levantamento, ao que foi apoiado pelo coronel Mertz von Quirnheim.

A explosão, às 12h42, matou quatro das 24 pessoas na sala. Hitler sobreviveu.
Na capital alemã, os conspiradores comunicaram por telefone, por volta das 15 horas, convencidos do êxito da missão: "Hitler morreu!" Duas horas mais tarde, a notícia foi desmentida. Na mesma noite, Stauffenberg, Von Haeften, Von Quirnheim e Friedrich Olbricht foram executados. No dia 21 de julho, os mortos foram enterrados em seus uniformes e condecorações militares. Mais tarde, Himmler mandou desenterrá-los e ordenou sua cremação. As cinzas foram espalhadas pelos campos.


Percurso de Stauffenberg em 20 de Julho de 1944:
1 Fortificações II - oeste, construídas em 1944
2 Casa da guarda sul
3 Bunker da defesa anti-aérea
4 Pessoal
5 Abrigo
6 Cinema
7 Fortificações oeste, construídas em 1944
8 Barracão de operações, local do atentado de Stauffenberg
9 Abrigo para visitantes, residência de Hitler de Julho a Setembro de 1944
10 Chefe dos Serviços de Imprensa do Reich
11 Bunker de transmissões
12 Garagem
13 Batalhão de guarda pessoal do Fuhrer, alojamentos
14 Serviços de Segurança do Reich
15 Ajudantes pessoais; médicos
16 Ministro dos Negócios Estrangeiros do Reich (von Ribbentrop)
17 Pessoal, garagem
18 Ministro do Armamento do Reich (Speer)
19 Ajudantes da Wehrmacht
20 Messe II
21 Bunker de Hitler, concluído em Setembro de 1944
22 Messe I
23 Alto Comando da Wehrmacht
24 Chefe do Alto Comando da Wehrmacht, marechal de campo Kettel
25 Chefe do Estado Major da Wehrmacht, coronel-general Jodi
26 Alto Comando da Marinha
27 Marechal Goring
28 Alto Comando da Força Aérea
29 Almirante Donitz
30 Bunker de Goring, construido em 1944
31 Pista de aterragem para aviões de pequeno porte
32 Posições de infantaria
33 Casa da guarda leste

publicado por MJ às 21:22
link do post | comentar

Coordenação

MJ
Lisboa, Portugal

Perfil Completo

Contacto

europae65@gmail.com

Links

Tags

todas as tags

Posts Recentes

A Vida dos Livros por Gui...

Os Justos das Nações

Para Saul Friedländer, o ...

Enciclopédia do Holocaust...

Diabólica alquimia totali...

I conferência sobre o Hol...

Friedländer homenageado n...

A Vanguarda do Horror

«Shoah» de Claude Lanzman...

Uma obra dedicada à juven...

A banalização do Mal ou q...

Aristides de Sousa Mendes...

Ensinar o Holocausto aos ...

Somos todos Judeus

Os «Protocolos dos Sábios...

Charlotte Salomon

Um oficial do Exército al...

Holocausto: uma obsessão ...

"Memória do Holocausto". ...

Yad Vashem distinguido na...

Arquivo do Blog

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

blogs SAPO

Subscrever feeds