Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007

A banalização do Mal ou quando tudo se equivale

A montagem fotográfica do catalão Joan Fontcuberta exposta no Fotografie Forum International realizado no âmbito da Feira Internacional do Livro de Frankfurt está a causar estupefacção na Alemanha. A obra representa o muro de segurança israelita e cada pixel é uma foto dos campos de concentração nazis. A directora do forum limitou-se a declarar que o forum não é anti-semita.
Lido no Herut
publicado por MJ às 13:02
link do post | comentar
2 comentários:
De afronauta a 12 de Outubro de 2007 às 09:51
Cara(o) MJ,
Agradeço a sugestão do TPC, mas creio que não tem fundamento. Não é pelo facto de não pensar como o(a) Sr.(a) que estarei errado. Eu falava na perspectiva das atitudes, da falta e respeito pela vida em geral e pela vida humana em particular. O grau de monstruosidade mede-se pelo número de pessoas mortas? Então é uma questão numérica?! A não ser que o seu puxão de orelhas se deva ao facto de serem os judeus as vítmas de ontem e os carrascos de hoje.


De MJ a 12 de Outubro de 2007 às 10:48
Não é seguramente por pensar diferente que está certo ou errado mas convém que as nossas afirmações possam ter algum suporte, para além da «nossa» moral. É evidente que a questão do número é importante. Sendo ambos actos reprováveis é diferente matar um ser humano ou milhões. A distinção que para mim tb é moral, está no Direito ao estabelecer molduras penais diferenciadas, está no vocabulário ao definir homicídio e genocídio, está nas motivações intrinsecamente racistas ou xenófobos. Eu posso perceber (embora discordando) que, para si, os judeus são os «maus da fita», posso escutar os seus argumentos em relação à posse da terra, às liberdades e direitos e um longo etc. Mas dizer que os Israel tem um plano para exterminar palestinianos e o executa é bizarro. Tão bizarro que é contrariado pelos números (desde 48 a população palestiniana quadruplicou ) e por outros factos, nomeadamente os direitos que garantias que os palestinianos israelitas usufruem. Como justifica que diariamente milhares de palestinianos entrem em Israel? Para ser exterminados? Não, para trabalhar!
A sua última frase («...judeus as vítimas de ontem e os carrascos de hoje») ao comparar o que não é comparável tem servido vários propósitos, nomeadamente para legitimar o nazismo... é lamentável e pior, é perigoso.


Comentar post

Coordenação

MJ
Lisboa, Portugal

Perfil Completo

Contacto

europae65@gmail.com

Links

Tags

todas as tags

Posts Recentes

A Vida dos Livros por Gui...

Os Justos das Nações

Para Saul Friedländer, o ...

Enciclopédia do Holocaust...

Diabólica alquimia totali...

I conferência sobre o Hol...

Friedländer homenageado n...

A Vanguarda do Horror

«Shoah» de Claude Lanzman...

Uma obra dedicada à juven...

A banalização do Mal ou q...

Aristides de Sousa Mendes...

Ensinar o Holocausto aos ...

Somos todos Judeus

Os «Protocolos dos Sábios...

Charlotte Salomon

Um oficial do Exército al...

Holocausto: uma obsessão ...

"Memória do Holocausto". ...

Yad Vashem distinguido na...

Arquivo do Blog

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

blogs SAPO

Subscrever feeds