Sexta-feira, 13 de Julho de 2007

Os massacres dos Judeus na Ucrânia ou a Shoah através das balas

Ainda se pode aprender algo sobre a Shoah ? Provavelmente, alguns responderão pela negativa. No entanto, na altura em que ainda se discute o número de vítimas, e até o próprio acontecimento, a iniciativa da associação Yahad – In Unum para localizar as valas comuns onde jazem centenas de milhar de judeus, homens, mulheres e crianças fuzilados pelos nazis de aldeia em aldeia na Europa oriental (cerca de um milhão e meio na Ucrânia) fornece-nos abundantes e preciosas informações. Falamos de factos concretos, de provas tangíveis e de testemunhos vivos, tanto mais úteis por esclarecerem uma parte da história que os anos do comunismo soviético deixaram na sombra.
Enquanto as pesquisas e as entrevistas prosseguem no terreno, a exposição organizada pelo Mémorial de la Shoah explica a origem e o objectivo e coloca os factos no seu contexto histórico. Através dos documentos da época, os testemunhos perturbadores e concordantes que passam nos ecrãs de vídeo, a apresentação das armas e dos objectos encontrados no local, as imagens da peritagem arqueológica das quinze fossas, terminada em Agosto de 2006 na região de Lvov, o visitante descobre os meios colocados à disposição para realizar as execuções, e depois para dissimular os traços, com a cumplicidade forçada dos habitantes locais. Assim descobrimos não só o crime, mas o negacionismo nazi.
O dever de memória, como sabemos, não se impõe só aos historiadores. Não estamos unicamente perante uma homenagem póstuma às vítimas finalmente (re)conhecidas, nem uma possível ferramenta de dissuasão para o futuro: é também uma maneira de cada uma das testemunhas se libertar (mesmo depois de tantos anos) de um pesado segredo e talvez para cada um recuperar uma certa dignidade. E alguma fé no homem.

Se passar por Paris até 30 de Novembro 2007 não deixe de visitar o Mémorial de la Shoah, 17 rue Geoffroy Lasnier - 75004 PARIS
Entrada livre
publicado por MJ às 22:42
link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 19 de Junho de 2007

A terra continua a esconder vítimas do Holocausto

O jornal Público (19/06/07) traz no suplemento P2 duas páginas sobre um assunto que já tinha sido noticiado aqui e que reproduzidos de seguida. As fotografias são da autoria de Gleb Garanich/Reuters.

Foi descoberta na Ucrânia uma vala comum com os restos de milhares de judeus, mortos pelos nazis na II Guerra. As autoridades judaicas querem fazer ali um monumento.

O SEGREDO QUE SE ESCONDIA NO PRADO
As pessoas que vivem em Gvozdavka-1 (a cerca de 300 km a sul de Kiev) sabem que houve ali um campo de concentração durante a II Guerra, onde foram mortas pelo menos 5000 pessoas. Mas só em Abril surgiram provas indesmentíveis, quando a escavação para instalar tubagens de gás pôs a descoberto uma grande quantidade de ossos num prado onde os habitantes costumam apascentar as vacas.

«ATIRÁVAMOS-LHE BATATAS E PÃO»
Alguns dos judeus levados para aquele campo de concentração foram executados, outros morreram de fome e doença. «Eles punham a mão através da rede que cercava o campo, implorando comida. Atirávamos-lhes batatas e pão», recorda Olga Tomachenko, que hoje tem 78 anos. Só em Gvozdavka-1 pode haver mais quatro valas comuns de vítimas dos nazis e pensa-se que existem outras 700 na Ucrânia.
DEVOLVER DIGNIDADE ÀS VÍTIMAS
A descoberta levou a Gvozdavka-1 muitos rabis. Remexiam o campo, em busca de ossos de vítimas do Holocausto, para os voltar a enterrar, cuidadosamente, dizendo uma oração. Vestidos com grossas casacas pretas tradicionais e chapéus de aba larga, tentam recuperar a dignidade das vítimas. «O que vi aqui vai ficar comigo para o resto da vida», disse à Reuters o rabi Shlomo Baksht.
DEIXAR OS MORTOS EM PAZ
Seis milhões de judeus foram mortos pelos nazis durante a II Guerra Mundial. Mas nem todos foram cremados: os restos de milhões dessas vítimas do Holocausto enterrados em campas rasas na Europa de Leste e são revelados quando se fazem escavações. No caso de Gvozdavka-1, as autoridades judaicas não querem desenterrar as vítimas e tentar identificá-las – o que até seria possível, pois há registos, em arquivos israelitas e em Moscovo, das pessoas que para lá foram enviadas para morrer.
«Queremos resguardar o local. Estes judeus são santos, deixá-los estar onde estão» disse Yakov Ruza, rabi do Instituto de Medicina Forense L. Greenberg, em Israel, Para os historiadores estas descobertas revelam o assassinato sistemático feito pela brigada Einsatzgruppe C. «Todas as cidades mais importantes da Ucrânia tinham um ghetto e valas comuns», disse à Reuters o historiador Viktor Korol.
publicado por MJ às 18:30
link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 5 de Junho de 2007

Descoberta macabra

Da EFE e reproduzido pelo Apaniguado:

Uma vala comum com os corpos de aproximadamente 5.000 judeus executados pelos nazistas durante a ocupação da Ucrânia, na Segunda Guerra Mundial, foi encontrada no povoado Gvozdavka-2, na região de Odessa, informaram hoje as autoridades locais.
Anatoli Ostrovski, chefe do distrito, disse à rádio "Krug", de Odessa, que a vala foi descoberta durante obras para instalações de gás do povoado, onde, durante a guerra, segundo moradores, houve dois guetos de judeus ucranianos e moldávios.
Pavlo Rubli, um morador do local que tinha 16 anos em 1941, relatou à imprensa ucraniana que os nazistas enterravam os judeus do campo de concentração em trincheiras antitanque, e afirmou que existem até cinco valas comuns nas proximidades de Gvozdavka-2. Até o último descobrimento, só estava localizada uma dessas valas, em um local onde a comunidade judaica de Odessa instalou uma placa de homenagem aos falecidos no começo dos anos 90.
Odessa, um porto ucraniano no Mar Negro onde historicamente houve uma grande comunidade judaica, foi ocupada pelas tropas nazistas em 16 de outubro de 1941, após uma heróica defesa de 73 dias, e permaneceu sob ocupação até 10 de abril de 1944. Segundo a comunidade judaica da cidade, só em Odessa os nazistas executaram e queimaram vivas 28.000 pessoas, a maioria delas judeus que moravam no local.
Outros dois cenários funestos do Holocausto na então república soviética da Ucrânia foram Babiy Yar (perto da capital, Kiev) e Zhitomir, onde os nazistas exterminaram dezenas de milhares de judeus.
publicado por MJ às 20:35
link do post | comentar

Coordenação

MJ
Lisboa, Portugal

Perfil Completo

Contacto

europae65@gmail.com

Links

Tags

todas as tags

Posts Recentes

Os massacres dos Judeus n...

A terra continua a escond...

Descoberta macabra

Arquivo do Blog

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

blogs SAPO

Subscrever feeds